168ª CONCENTRAÇÃO MGCP
11 E 12 SETEMBRO - PASSEIO PELO ALENTEJO DURANTE A SEMANA

Desejada, adiada e finalmente organizada. Foi o que aconteceu com esta Concentração, a primeira a ocorrer em dias da semana.

Na quarta-feira, começámos as atividades com a visita aos “Chocalhos Pardalinho”, para descobrirmos os segredos da arte chocalheira declarada pela UNESCO, em dezembro de 2015, como Património Cultural Imaterial da Humanidade com Necessidade de Salvaguarda Urgente e assim acompanharmos todo o processo de fabrico de um chocalho artesanal. Trata-se de uma arte manual portuguesa ancestral que encontra mercado em Portugal, Espanha, França e África.

Depois, num terreiro de terra batida, fizemos uma Gincana e um Slalom com muito pó pelo ar e sob o olhar atento de algumas famílias ciganas.

Na “Herdade Vale da Rosa” encontrámos uma refrescante bebida de boas-vindas degustada ao som do “Cante Alentejano”, também ele já considerado Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO. O almoço foi uma agradável surpresa porque nos foi servido à sombra de parreiras carregadinhas de enormes cachos prontos para a apanha. Desde a sua fundação, em 2000, e devido aos investimentos feitos na expansão da vinha, a empresa já supera as 6000 toneladas de produção do seu produto de excelência: as uvas de mesa sem grainha. Depois de bem instalados na Europa, Angola e Brasil já entraram no grande mercado Asiático.

O resto da tarde foi passada na esplanada do restaurante de apoio à piscina da Markádia, com vista sobre a albufeira da barragem de Odivelas, onde jantámos enquanto ocorria um magnífico pôr do sol.

Depois de uma noite tranquila e repousante no Hotel D. Jorge, em Grândola, viajámos para Alcácer do Sal onde, junto ao Castelo e à Pousada D. Afonso II, nos reunimos com os outros Sócios participantes por um dia.

Uma responsável do Gabinete de Turismo local, a simpática Dr.ª Rita Torres, já nos aguardava para orientar as visitas:

- À Cripta Arqueológica que, localizada no subsolo do Convento de Aracoelli, revela vestígios da Idade do Ferro (cerca do séc. VII A.C.) e estruturas da civilização romana e da ocupação muçulmana;

- À Igreja de Sta. Maria do Castelo, a igreja matriz, que, bem como a maioria dos edifícios religiosos medievais da cidade, deve a sua fundação à Ordem de Santiago que, provavelmente, a terá erigido após a reconquista em 1217;

- Ao Museu Municipal Pedro Nunes instalado na Igreja do Espírito Santo junto ao rio Sado;

- À Igreja de Santiago, cujo interior coberto por azulejos do século XVIII contam a história de alguns dos milagres realizados pelo Santo.

A pé e a caminho do restaurante Néne fomos ouvindo falar do significado de alguma toponímia e da história de alguns edifícios.

Ao almoço, tivemos uma “sopa de garoupa” incrível, que encerrou a diversificada mostra gastronómica do Alentejo que passou pela açorda de cação, pelas migas com carne de alguidar e pela típica Pinhoada regional.

Após o almoço entregaram-se as taças aos 3 primeiros classificados na presença e com a ajuda de Hipólito Cabaço que substituiu o seu amigo de sempre, o Sr. Eng.º Francisco Almeida. A ambos deixamos um agradecimento porque ambos foram preciosos auxiliadores.

Classificações:

Gincana
(classe única)

Class.
final

Slalom
(classe única)

Nome do Sócio
Melhor tempo (sec)
Nome do Sócio
Melhor tempo (sec)
Isabel Tinoco
24.03

Isabel Tinoco
18.69
José Gil
24.43

José Gil
18.78
Luís Antunes
24.72

J. Preces Diniz
19.16
Celestino Guerreiro
26.47

Luís Antunes
20.63
Cândida Fernandes
28.50

Celestino Guerreiro
20.93
J. Preces Diniz
Desclassificado

Cândida Fernandes
23.16
Armando Féria
Não participaram

Armando Féria
Não participaram
Eduardo Silvestre

Eduardo Silvestre


Ver Galeria